Ecos da Guiné: NO PINTCHA! *

DSC08382 (800x468)

42 anos! Foi anteontem!

Na frescura dos 30. O José Cid tinha ganho o Festival da Canção na véspera. Nessa noite  fomos à Cova da Moura despedir-nos do nosso chefe (brigadeiro!), O Bispo de Madarsuma. Lembras-te, David, do que ele nos disse? Sabem que não fazem a comissão inteira? Como? … Não posso dizer mais nada!!! Boa viagem…

O aviãozito (um DC 30?), a hélice, rumou ao Sal. Na madrugada escura e gélida, as faúlhas do motor em chispas ameaçadoras… ainda assustaram… Fez escala no Sal. Subimos… Mares (e ares) dantes (e agora) navegados... Terra à vista.

Abriu-se a porta. Descer a escada lembrou o Ananias, Azarias e o Misael a entrar na fornalha do castigo! Sente-se o bafo dum forno aberto. Bissalanca, na Guiné. Passámos por uma porta a apor uma assinatura num papel. (Na gíria – assinatura da ”certidão de óbito”). QG era o destino. Coração apertado numa farda nova com galões de oficial.

Vão todos para a Guiné! – tinha dito o chefe (o de Madarsuma, o Rodrigues ali de Ourém), aí pelo dia 10 de janeiro de 1974 na Academia Militar. (Lembras-te, Sousa e Alves, lembras-te, Joaquim Ribeiro?). Ficou a ameaça, que só se concretizou em meia dúzia (eram 16 os chamados: 2 não compareceram – refractários – 3 foram despromovidos): chegaram Cruz, Artur, David, Rui Alves, Fagundes e mais tarde o José Henriques que não foi promovido logo por causa duma boca foleira (só!). Acompanhou-nos o nosso chefe, de carreira, o Pires Soares, de Beja. O nosso destino era o QG. Fomos até ao fundo, ao Vaticano, como chamavam à tabanca dos capelães. A torre do QG ainda mostrava vestígios duma bomba ali rebentada em Fevereiro…

A Atlantics (do grupo Pestana) depositou-nos em Bissalanca, hoje Aeroporto Osvaldo Vieira. Formalidades definidas, carga em pirâmide, entassados como sardinha em lata, (onde mal cabiam 14 acotovelaram-se 21… dava pelo nome de Mercedes! Olha  o luxo!) entrámos no “trilho”, já de alguns conhecido, rumo ao “nosso” QG – a Cúria diocesana de Bissau. Pouca demora, que nos espera uma picada muito difícil até Bafatá. Outrora só de Nord Atlas!

Assim foi: salto aqui, pulo acolá, buracos a exigir manobras de volante, velocidade louca, asfalto irregular e desgastado, pó… tanto pó… joelhos fincados na lata dos bancos da frente, pouca espuma nos assentos, vergões nas coxas, vértebras a ranger, dores nas costas, mais salto, mais lomba… e nomes iam surgindo da boca dos ex-combatentes da comitiva: Mansoa, Porto-goll, Bissá, tabancas sem nome ao longo da estrada, Bambadinca, Xime e finalmente Bafatá. Irreconhecível o trilho pelo meio das tabancas, lá no cimo, sujas, porcos, galinhas, vacas, cabras, mau cheiro, abutres, lixo, muito lixo, ora amontoado, ora espalhado, parámos num pátio – a Cúria de Bafatá. Só no dia seguinte reconheci a Casa das irmãs franciscanas (ó irmã Alzira, de Leiria, lembra-se?). Reconheci, mas por outra entrada, agora abandonada… Aí era lavada a roupa dos capelães de então.

D. Pedro Zilli, o Bispo, acolhedor, num sorriso muito brasileiro, manifestou o seu reconhecimento pela visita e disponibilizou um acolhimento muito simpático e favorável. As horas iam passando e uma boa refeição completou o dia.

Começou a “nossa guerra”. Uma guerra diferente da que há 50, 45 e 40 anos a nove dos da comitiva fez muita “mossa” na vida. Recordar é viver. Cansados mas vivos.

AO – (Alferes capelão)

*Significa: estamos nesta, vamos para a frente… Sigamos.

DSC08319 - Cópia (640x480) DSC08326 - Cópia (640x480) DSC08329 - Cópia (640x480) DSC08340 - Cópia (640x480) DSC08341 - Cópia (640x480) DSC08342 - Cópia (640x480) DSC08344 - Cópia (640x480) DSC08345 - Cópia (640x480) DSC08350 - Cópia (640x480) DSC08351 - Cópia (640x480) DSC08352 - Cópia (640x480) DSC08356 (640x480) DSC08358 (640x480) DSC08359 (640x480) DSC08360 (640x480) DSC08362 (640x480)

6 thoughts on “Ecos da Guiné: NO PINTCHA! *

  1. M. Frazão
    Domingo, 7 de Fevereiro de 2016 at 18:44

    P.Artur, apreciei e gostei da tua bonita comunicação, escrita com arte e engenho. No fim de tudo, talvez, uma névoa de saudade, angústia e revolta, por ao fim de 42 anos de perigos, enganos e contradições vividos nas longínquas “picadas” de terra vermelha da Guiné-Bissau, aquela gente viva, ainda, sob os ditames da uma débil história social de reduzida subsistência. Só uma pergunta: soubeste novas de Aldeia Formosa (hoje Quebo) e da “minha” Chamarra” (destacamento que eu comandava) e que te recebeu, durante uns dias, com agrado, satisfação e total surpresa para este, então, jovem Alferes Mil.? Um abraço / M. Frazão

  2. Fernando Faria
    Quinta, 4 de Fevereiro de 2016 at 21:58

    Obrigado, AO, pelo relato histórico. Muito bom!
    Através dele, pude entrar um pouco nesses meandros de areias movediças e povoadas de serpentes…
    Deve ter sido saboroso para ti (e para os demais que voltaram ao “local do crime”) esse regresso ao passado!

  3. manuel.oliveirasantos @£gmail.com
    Quarta, 3 de Fevereiro de 2016 at 20:16

    Mota Tavares,o que é feito de ti?Há muito que não apareces.Diz qualquer coisa.Tenho pensado muito nos tempos em que estivemos na Guiné.Mantive-me lá durante 3 anos e 7 meses.Bons tempos e boas conversas.que tivemos .Já nessa altura gostavas da Força Aérea.Um abraço amigo.

  4. J.Mota Tavares
    Terça, 2 de Fevereiro de 2016 at 00:24

    Gostei. Lembrar é viver. Só recordei os nomes das terras, pois eu estive lá de 1965-1967.
    Em alguns lugares tive histórias: muita guerra, alguma fome, aventura. 27 operações; 12 vezes debaixo de fogo; alguns a morrerem ao meu lado; o capelão a fugir dos ataques a meio da missa e …etc.,etc.
    Um abraço deste que, graças a Deus
    ainda está vivo
    Mota Tavares

  5. Domingo, 31 de Janeiro de 2016 at 18:57

    Leio e vejo, com muito agrado, esta reportagem ilustrada do Pe. Artur, nosso Alferes Capelão. A memória do passado e a realidade presente! Como também revivi, fortemente, sentimentos de há 50 anos com os actuais! Experiência única; lição de vida!

    Abraço amigo
    Alfredo

  6. José Ricardo
    Domingo, 31 de Janeiro de 2016 at 17:45

    Como é bom viver para recordar. E como diz o meu amigo Artur, cansados mas vivos…Graças a Deus.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *