Loading...

Quinta-feira, Abril 18, 2024

Mês: Outubro 2023

IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Parte 3)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Também é lugar de mártires) Parte 3 O dia seguinte, era o de deixarmos mais um lar do coração, o Centro de Promoção Humana de Guiùa. Era Domingo e, logo pelas 8 da manhã, participámos e também fizemos festa na missa dominical, na igreja paroquial ali mesmo, com a comunidade do Centro e da paróquia de Guiùa. Mais um

Ler Mais

IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Parte 2)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Também é lugar de mártires) Parte 2 Durante a tarde deste primeiro dia de chegada, fomos conhecer a cidade de Inhambane. Uma linda cidade situada numa sub-península de uma península maior com uma reentrância de mar até à foz do Rio Mutamba, braço de mar que cria uma maravilhosa visão marítima absolutamente protegida, como se estivéssemos na presença de

Ler Mais

IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Parte 1)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE IV – NA TERRA DA BOA GENTE – INHAMBANE (Também é lugar de mártires) Parte 1 Às 6h30 da manhã o despertador iniciou suavemente uma trilha sonora que encaixava na “mouche” do canto alegre dos pássaros do exterior, e que preenchiam todo o ar numa envolvente de 360 graus. Dentro do quarto, esse som total, entrava por dois buracos redondos que atravessam a parede apenas a uns 10

Ler Mais

III – PERDIDOS NA SELVA (Parte 2)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE III – PERDIDOS NA SELVA Parte 2 Depois de um abastado e bom “Buffet”, foram distribuídas as casas em que cada um ficou para dormir menos de metade de uma noite, mas que tinham conforto, espaço e apetrechos para qualquer um se instalar uns meses sem se queixar. E logo de seguida, toca a rebate para o primeiro safari. Dois possantes Land Crusier abertos, com uma estrutura aplicada

Ler Mais

III – PERDIDOS NA SELVA (Parte 1)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE III – PERDIDOS NA SELVA Parte 1 Levantámo-nos junto com as primeiras aves da manhã. Ou talvez ao som delas, ali nas frondosas árvores do terreiro em Laulane. Uma Eucaristia bem matinal, na capela, ao som de órgão (um Yamaha DGX) e não de tambores nem guitarra, que tem sido o habitual. Juntou-se a nós, para concelebrar, o Pe. Couto, fundador da Universidade Católica de Moçambique. Seguiu-se o

Ler Mais

II – TETE E UM GRANDE BISPO (Parte 2)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE II – TETE E UM GRANDE BISPO Parte 2 Cedo rumámos com destino à distante Zóbuè, pela EN 7, asfaltada e bastante razoável. A paisagem é muito apelativa, e encontrámos no caminho vilas, ou cidades que se reconheciam bastante desenvolvidas nos tempos coloniais. Desde logo Moatize, ainda relativamente próximo de Tete, conhecida por ter as maiores e impressionantes minas de carvão, agora exploradas pela indiana Vulcano. E acima

Ler Mais

II – TETE E UM GRANDE BISPO (Parte 1)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE II – TETE E UM GRANDE BISPO Parte 1 No dia da chegada, não experimentámos as nossas camas cativas em Laulane – Maputo. Depois de um bom almoço no restaurante Costa do Sol, ao fundo da marginal de Maputo, onde avistámos o oceano Índico pela primeira vez, e de uma “tournée” pelo centro da capital, onde nos detivemos para uma visita guiada e detalhada à catedral, voltámos ao

Ler Mais

I – Introdução: DEUS SABE DANÇAR (Alegria por dentro e por fora)

POR MARES DANTES NAVEGADOS 6ª EDIÇÃO – MOÇAMBIQUE “EU SÓ PODERIA CRER NUM DEUS QUE SOUBESSE DANÇAR”. Assim escreveu Friedrich Nietzsche no famoso livro “Assim falava Zaratustra”. Se Nietzsche tivesse vindo connosco a África, e não fosse apenas fazer um safari, seria compulsado a ter de acreditar, por força das suas próprias palavras, e não seria mais o maior símbolo do ateísmo do final do século XIX, projectando-se por todo o século XX e até aos

Ler Mais