Loading...

Quarta-feira, Outubro 20, 2021

Natal no essencial!

Ao contrário do que hoje sucede entre nós ao nascer uma criança, sobre Jesus, não sabemos nem o dia, nem o mês em que nasceu e, quanto ao ano, há dúvidas! Os cálculos feitos no século IV para determinar o início da Era Cristão, dizem os estudiosos, não estão certos, e muito provavelmente Jesus nasceu seis ou sete anos antes da data fixada.

Então, porque celebramos o nascimento de Jesus a 25 de Dezembro? A escolha deste dia é resposta à decisão do imperador Aureliano que, no ano 274, estendeu a festa do “Nascimento do Sol Invicto” da cidade de Roma a todo o Império, procurando assim contribuir para a sua coesão e paz, seriamente ameaçadas.

Esta celebração do deus Sol assinalava a vitória da luz sobre as trevas. De facto, desde o Solstício de Verão até ao de Inverno, a noites vão sempre crescendo; por isso, na inversão do ciclo, os romanos festejavam a vitória da luz sobre as trevas, pois até ao Solstício de Verão, as noites vão sempre diminuindo.

Foram os cristãos de Roma os primeiros a opor-se à iniciativa do Imperador e a recusar-se a adorar o sol como divindade. Como resposta, passaram a celebrar o nascimento de Jesus, o único por eles reconhecido e proclamado como “Sol de Justiça” (Ml 3,20), por ter vencido a morte para sempre.

Esta vitória de Cristo sobre a suprema humilhação da Humanidade fez com que todos os momentos da sua vida se tornassem para os discípulos reflexo da Luz do Ressuscitado e fonte de inspiração, criatividade e esperança. A esta Luz (Jo 8,12) se interpretam as Escrituras Sagradas e se pode ler a marcha da história da Humanidade, tanto pessoal como comunitariamente!

Um dado fundamental a reter é que aquela Luz, capaz de vencer o poder destruidor da morte, se escondeu na humanidade do Filho de Maria, que viveu humildemente no seio de uma família desconhecida de Nazaré durante quase trinta anos, iluminando assim o quotidiano de todas a famílias, enquanto serviço de amor à vida dos seus membros e de quantos lhes são próximos.

Depois, na sua vida pública, Jesus, ao identificar-se com os últimos (pobres, pequeninos, excluídos, pecadores…), mostrou-nos como segui-Lo, com gestos e atitudes capazes de fazer reflectir a beleza da sua Luz divina no nosso quotidiano, pela atenção aos mais frágeis e esquecidos das nossas comunidades.

Contudo, neste Natal, sem esquecer os que vivem nestas condições e são, por isso, duplamente vulneráveis, o que é novo e temos de o reconhecer, é que todos somos potenciais vítimas e transmissores do vírus, pelo que todos somos atingidos pelo medo, a insegurança e a incerteza. Todos somos pobres e estamos desprotegidos!

Neste Natal, sejamos pois cuidadores da vida, reflexo da luz que brota do Natal de Jesus, procurando, de uma forma nova e adaptada às circunstâncias, servir a vida daqueles que mais amamos, e porventura de quem possa estar a precisa de um gesto nosso, cuidando do essencial das nossas relações, sem assumir comportamentos de risco. Esta atitude será expressão de amor para com aqueles a quem queremos bem!

A todos os antigos alunos e suas famílias, às associadas da UASP e a todos os nossos amigos, desejo um Santo e Feliz Natal do Senhor, luz que ilumina as nossas trevas e inunda os nossos corações de paz e alegria.

P. Armindo Janeiro, Presidente da Direcção

One thought on “Natal no essencial!

  1. Um Santo Natal com muita saúde amor e paz para toda esta grande família da UASP.
    Abraço a todos. Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *