Loading...

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

Sínodo, a graça de caminhar juntos!

Pela primeira vez, em dois mil anos de história da Igreja Católica, todo os seus fiéis foram convidados a participar no processo sinodal em curso. Segundo Piero Coda, membro da Comissão Teológica do Sínodo e Secretário-geral da Comissão Teológica Internacional, este Sínodo é mesmo “o acontecimento eclesial mais importante e estratégico depois do II Concílio Vaticano”, realizado entre 1962 e 1965.

Lançada a dinâmica sinodal na Paróquia e constituídos os grupos (doze ao todo) pude, nestes últimos dois meses, passar por todos eles para acompanhar a sua reflexão (alguns já terminaram). E, pouco a pouco, fui experimentando um crescente sentimento de acção de graças pelo dom deste caminho sinodal a todo o Povo de Deus, tão oportuno como promissor para o futuro da Igreja!

Na verdade, o que vi nos encontros dos grupos sinodais foi a Igreja a acontecer como mistério de comunhão na fé, na esperança e na caridade. Dou graças a Deus pela leitura exigente e comprometida da realidade eclesial, identificando sombras e luzes nos seus membros e na sua acção; dou graças a Deus pela partilha corajosa de diferentes sensibilidades, visões e propostas, segundo o sentir de cada participante; e dou graças a Deus pela disponibilidade manifestada por muitos para serem parte da solução.

De facto, a participação que nos é pedida nesta dinâmica sinodal vem de encontro ao pensar de muitos cristãos que olham para este momento não como um favor da Hierarquia, mas como o que ele é verdadeiramente: exercício de um direito que se funda no baptismo.

Por isso, esta consulta sinodal não é uma cedência a modas ou tendências culturais, mas sim a resposta ao Senhor da Messe que convida os seus discípulos a tomar parte num processo de discernimento, conduzido pelo Espírito Santo. Este processo exige que nos escutemos mutuamente e que, juntos, escutemos o que o Espírito Santo tem para nos dizer, Ele que actua em todos e a todos dá os seus dons para o bem da Igreja e do Mundo.

P. Armindo Janeiro

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *