Ecos da Guiné: Por mares e ares dantes “navoados” IIº .

DSC09140 (640x480)Crónica de saudade da Guiné

Como disse no texto já publicado, a 2ª viagem da UASP à Guiné decorreu de 18 a 25 de Março de 2016.
No dia 23 regressámos de Orango. Procurámos em Quinhamel o “restaurante do Português”. Lá nos apareceu no meio do arvoredo, mas comida é que não tinha pois nos disse que não tinha sido avisado. O monte de cascas das saudosas ostras no logradouro acrescentou mais sofrimento à fome.
Rumámos 30 kms para Bissau, onde fomos recebidos com alegria no Papa Loca da Casa do Benfica. Às 15 h serviram-nos pratos bem recheados, embora eu estivesse limitado pelas aftas.
Fomos visitar o hospital da Cumura, muito falado no tempo da minha “guerra” de 1971-73 como hospital dos leprosos. Tem vários pavilhões bem cuidados, muito terreno e jardins. É administrado há dezenas de anos por dedicados e sorridentes Padres Italianos. Tem poucos leprosos, mas acolhe agora cerca de 40 doentes com Sida. É um oásis nas terras da Guiné.
Outro oásis é a Casa Bambaran, onde duas freiras acolhem cerca de 45 órfãos, de alguns meses até cerca dos 14 anos, que aqui têm comida, cama, chuveiros, lavatórios e onde aprendem muita coisa. Também aqui foi entregue uma pesada mala com materiais e alguns deixaram discretamente notas de francos.
Jantámos no edifício que acolhera alunos da Universidade Católica, onde íamos dormir em quartos bem simples e a ventoinha funcionava.
Alguns saímos até às 23 h pela Avenida do Aeroporto parando num bar à conversa com Portugueses que ali conviviam com um Ministro da Guiné.
No dia 25 não fui a Canchungo nem a Cacheu, pois “desenfiei-me” para passear sozinho por Bissau e ir à Base Aérea. Um Sr. Padre da Cúria foi muito simpático e levou-me à Base Aérea, de onde me recambiaram para o Quartel-General a fim de obter licença para entrar na Base. Nestes poucos quilómetros por duas vezes a polícia nos mandou parar: da 1ª vez logo disseram ao Sr Padre que podia seguir; na 2ª vez a menina foi “compensada” apesar de nos desejar “Boa Páscoa”.
Como o QG nos remeteu para o Ministro da Defesa, eu agradeci ao Padre a sua disponibilidade e comecei o reconhecimento sozinho a pé por Bissau. Que tristeza de vistas ! Quase não reconhecia a zona deserta do café Bento e arredores. Muita falta de tinta nas casas “europeias”, que pareciam meio-abandonadas. O dono de um café disse-me que, por ali, parte do alcatrão resistente ainda era do tempo dos Portugueses!
Uma dor de alma subir a Avenida principal e os seus passeios pois faltava algum alcatrão, havia pó e tudo pouco cuidado.
A catedral e o tribunal lá estavam na mesma e em bom estado. Os correios vão ter um bom edifício novo. Lá estava a casa Gouveia. A UDIB mantém-se mas precisa de avivar as cores. A Associação Comercial está bonita e é a sede do PAIG, com salas para as pessoas frequentarem.
A Praça do Império continua grande e chama-se agora dos Heróis, bem ajardinada.
O Palácio do Governo, que é agora da Presidência da República, mantém a mesma fachada imponente, está bonito depois de ter sido muito bombardeado em 1998 e de ter sido recuperado pelos Chineses. Só é pena que as ruas à sua volta estejam cortadas ao trânsito de peões e veículos e nelas estejam carros blindados com militares do centro da África a guardar um Presidente, que deixou o PAIG e que não é amado pelas pessoas com quem falei. E que quer impor no governo pessoas que o maioritário PAIG não aprova ou vice-versa.
O café Império lá continua com a sua esplanada e com muita gente, pois será a casa melhor arranjada de Bissau.
A caminho da messe de Oficiais da Força Aérea entrei pelos jardins da sede da Ordem dos Advogados de Bissau, tendo o Bastonário mostrado as várias salas, quase despidas, lamentando a falta de livros nomeadamente sobre o Código Civil e o Código de Processo Civil, que me disse seguirem ainda os de Portugal da década de sessenta.
Por outra rua persegui a visita à messe. Acabava de filmar vários urubus quando dois soldados me disseram que não podia filmar ali nem prosseguir porque a messe era agora ocupada pelos tais soldados estrangeiros.
Continuei pelas ruas largas de Bissau que estão agora a receber alcatrão. Nos passeios tive de ir baixando os olhos para os buracos fundos que vão receber postes e caixas.
Onde almoçar? Foi mais certo voltar à casa do Benfica, que tem ar condicionado e os pratos são servidos à portuguesa e bem compostos. Ah: o salão da casa do Benfica, das saudosas danças, terá pouco uso.
A Embaixada de Portugal tem vários edifícios e muito movimento de pessoas, mas disseram-me que o meu pouco tempo já não dava para conseguir uma entrada na Base.
Então atirei-me para o Q G do meu tempo subindo a estrada de St Luzia. Quis ir a pé para reconhecer aquele percurso, o que se tornou numa pesada penitência de Quinta-feira Santa numa tarde de muito calor e de algum pó. A final o QG ficava muito longe. Quando cheguei ao Ministério da Defesa eram 16,30 h e o Ministro já tinha saído.
Deambulei à procura do QG do meu tempo com os seus jardins a subir, mas no sítio aonde cheguei, que era mais alto do que a paisagem, só encontrei uns aquartelamentos dispersos, que pouco me trouxeram à memória.
Regressei ao centro e quis ir reconhecer o ” Pilão”. Vi muitas ruas, algum alcatrão, muito trânsito, valas para saneamento a céu aberto. Também li placas com o nome ” Cupelom” . Mas, também aqui, entrei ao contrário, de poente para nascente e não reconheci o tão falado “Pilão”, agora com muitas mais casas. Pus-me à conversa com três simpáticas meninas. Como já lhes tinha dado uma nota, saboreei umas panquecas feitas ali na rua e na hora e um gelado artesanal que era divinal.
Conversei no quartel dos bombeiros de Bissau, que já ali existia no meu tempo.
Desci até ao cais do “Pidgiguiti”, que estava pobre, com lodo e barcos velhos. ” Não filme aquele barco”. Por quê ? ” É militar”.
Foi uma dor d`alma ver o abandono daquelas antigas casas e o estado daquelas ruas. Lembrei a minha amiga Isilda Araújo, cujo casal recebia muitos Portugueses, especialmente os de Valongo.
Subi até à catedral onde se ensaiava para a Missa de Quinta-feira Santa espalhando-se os cânticos pelos altifalantes. Não tivemos o Bispo de Bissau, mas tivemos o nosso companheiro Pe. Artur a presidir às cerimónias numa catedral cheia. E que bem cantava e se mexia o alegre grupo coral!
Timóteo Moreira

DSC09188 (640x480)

DSC09094 (480x640) DSC09095 (640x480) DSC09099 (640x480) DSC09101 (640x480) DSC09102 (640x480) DSC09103 (640x480) DSC09104 (640x480)

DSC08332 (640x480) DSC08333 (640x480)

DSC09057 (480x640) DSC09105 (640x480)

DSC09139 (640x480) DSC09127 (640x480) DSC_2056 (640x428) DSC_2054 (640x428) 20160116_171816 (640x360) 20160116_170931 (640x360) 20160116_162426 (640x360)

.

4 thoughts on “Ecos da Guiné: Por mares e ares dantes “navoados” IIº .

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *