Loading...

Sábado, Dezembro 03, 2022

A ASSEMBLEIA ELEITORAL DA UASP, MAS NÃO SÓ…

A União das Associações do Antigos Alunos dos Seminários Portugueses (UASP), reuniu, no passado dia 11 de Dezembro, em assembleia-geral que teve a particularidade de ser também eleitoral.

O local definido para o efeito, foi a Casa São Nuno, em Fátima, que durante décadas se designou por Casa Beato Nuno, por razões óbvias. Funcionou durante alguns anos, simultaneamente como hotel e seminário maior dos carmelitas da antiga observância! As celas dos jovens professos situavam-se, ao tempo, a partir de 1957, exactamente ao lado da sala Santa Teresa de Lisieux, onde decorreu a sessão deliberativa para ali convocada.

Vale a pena aflorar a origem da Casa que nos serviu de abrigo e consolo no pretérito sábado!

Foi a indumentária com que Nossa Senhora se apresentou aos três pastorinhos em outubro de 1917, que viria a despoletar a ideia. De facto, em 1950, o então Prior Geral dos Carmelitas P. Kilian Lynch, teve uma entrevista com a irmã Lúcia a quem a vidente pediu que o Padre Geral fizesse algo em Fátima, para reavivar a antiga devoção a Nossa Senhora do Carmo na alma do povo português.

E assim foi feito, porque o próprio Prior Geral interpretou as palavras de Lúcia como um pedido da própria Nossa Senhora do Carmo. A ideia amadureceu e resultou num projeto grandioso que deveria ser como que uma nova Fonte de Elias, de onde deveria jorrar a intensificação do espírito carmelita. Em 1953 adquiriu-se o terreno. Em 1955 foi lançada solenemente a primeira pedra da nova fundação carmelita dedicada à memória do herói nacional e enorme carmelita, o Santo Condestável, hoje S. Nuno de Santa Maria que, além do mais, foi também 3.º Conde de Ourém.

A Casa abriu as portas, experimentalmente, aos primeiros peregrinos em 13 de Maio de 1957 e em 14 de Agosto seguinte, realizou-se a Bênção da Capela e da Casa e, logo a seguir, passou a funcionar em pleno como hotel e seminário maior dos carmelitas.

Assim, como tantas outras, também esta reunião decorreu num antigo seminário que, tal como a maioria, está deserto de seminaristas.

A assembleia decorreu de forma pouco habitual, já que, por via da malina que nos inquieta, havia participantes presentes fisicamente, mas outros, incluindo o Presidente da Mesa da Assembleia Geral, o dr. Manuel Domingos, apenas virtualmente, corolário dos tempos atuais, que as novas tecnologias ajudam a mitigar as funestas consequências.

Fisicamente estiveram presentes dez participantes, onde se incluía o presidente da Direção, o Rev.º P. Armindo Janeiro, além do vice-presidente, dr. António Agostinho e a Isabel Oliveira do secretariado, estando representadas as associadas AAACARMELITAS, ASDL (Leiria), ADASA (Aveiro) e AAASVR (Vila Real). Virtualmente estiveram a ASSASB (Braga), a LASE (Évora), a UNIASES (Espiritanos), a ACRFranciscanos e a ASDC (Coimbra).

E, por unanimidade, decidiu-se que a atual Direção deveria ser reconduzida, não só pelo excelente, esforçado e competente trabalho desenvolvido, mas também porque os tempos não são propícios a grandes mudanças, o que resultou, aliás, de proposta nesse sentido, apresentada pela ASSASB.

Moderadamente confiantes, os participantes aprovaram, também por unanimidade, o Plano de Atividades e Orçamento para o ano de 2022, ano em que será retomada a cobrança de quotas às associadas, depois de terem sido suspensas no ano em curso, o que bem se compreende, até porque existem despesas fixas a suprir.

O Plano apresentado e favoravelmente votado reflete alguns momentos marcantes para a Igreja Católica nos próximos tempos, como serão certamente a realização do Sínodo 2023, que a UASP tentará ajudar na concretização dos seus objetivos através da reflexão a fazer por cada uma das suas associadas que poderão levar a um momento de viragem na vida católica, em face do desafio lançado pelo papa Francisco: “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”. Será ouvindo o palpitar de cada cristão que se poderá chegar a uma salutar renovação. É neste sentido que a UASP se propõe realizar em 26 de Fevereiro de 2022, um Fórum, em local a definir, para debate das propostas que resultarem da reflexão interna de cada uma das associadas, sob o mote: “Para uma Igreja sinodal”.

Outro momento que o Presidente da Direção realçou foi a nova tradução para português da Bíblia, trabalho que está em curso desde 2012 e se prevê seja concluído, talvez em 2024, embora se preveja que a tradução do Novo Testamento esteja concluída já em 2022. A bíblia permite o contato com a palavra de Deus. Este será um tema que, em princípio, será abordado numa Sessão de Estudo a realizar em 26 de Novembro de 2022, nas Capuchinhos, em Fátima, de acordo com o plano de actividades aprovado, sob o mote “Pela Bíblia, Deus conversa connosco”.

Outros pontos de interesse constam do Plano de Actividades para 2022, como é o caso da VI Etapa do projeto Por Mares Dantes Navegados – Moçambique, que tem vindo a ser sucessivamente adiado por força da pandemia SARS-Cov-2, a realizar de 10 a 22 de Julho, e das Jornadas Culturais a realizar por terras do Vale do Ave e Guimarães, em datas a definir.

Para 2022, como habitualmente, estão previstas duas Assembleias Gerais, a realizar uma na Primavera e outra no Outono.

Algumas associações pormenorizaram alguns dos seus anseios e estados internos, que a pandemia de certo modo abalou, como foram os casos de Coimbra que pensa que em 2022 reativará as suas atividades normais; de Vila Real que enfocou a sua mudança de direção, sendo agora o seu presidente, o Domingos Costa, mas também a pujança da associação que não dá sinais de quebra, pelo contrário, começa a ver agora gente mais nova nas suas realizações; de Aveiro que invocou a comemoração dos 70 anos do seminário de Santa Joana Princesa, devidamente assinalados numa exposição no local, convidando os presentes a visitá-la; de Leiria que referiu a retoma da actividade associativa em 2022, em contraponto a 2021 que não teve qualquer realização e referiu que, à parte a ASDL, existe um grupo informal de antigos alunos que têm uma página no facebook intitulada “Quodore”; dos Franciscanos, representados pelo sempre esclarecido Alfredo Monteiro que referiu que a pandemia não os parou totalmente, pois fizeram encontros virtuais. Finalmente o representante da UNIASES, lamentou o decesso do colega e amigo Alberto Melo, elemento fundador da UASP, grande animador da sua associação e que constituiu uma enorme perda para todos os antigos alunos. Todos os presentes comungaram da ideia e lamentaram a perda coletiva que representou o desaparecimento físico do Alberto Melo. Que descanse na Paz de Deus.

Finalmente, antes do almoço, houve recíproca troca de mensagens natalícias entre os participantes que, a seguir, retemperaram forças no primeiro andar da acolhedora Casa S. Nuno.

Aos participantes agradecemos a sua prestimosa colaboração e, sobretudo, à Ordem do Carmo em Portugal, ali representada pelo Pe Frei Ricardo Rainho, agradecemos, penhoradamente, o acolhimento que nos proporcionou.

Américo Lino Vinhais, AAACarmelitas – Gabinete de Comunicação da UASP

2 thoughts on “A ASSEMBLEIA ELEITORAL DA UASP, MAS NÃO SÓ…

  1. Olá, caros companheiros, saudações Natalícias
    Texto bem escrito, como já nos habituou o Américo Vinhais, e que traduz o que se passou nestas Assembleias inéditas; presenciais e virtuais! O nosso irmão, amigo e companheiro, sentiu bem o conforto da “sua” Casa.
    Santo Natal e que 2022 seja um Ano Bom, de Paz e Bem
    Alfredo

  2. Olá, Vinhais. Parabéns pela excelência do texto completo e elucidativo.
    Abençoado Natal e Bom Ano de 2022!
    David Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *