Loading...

Quarta-feira, Outubro 20, 2021

Do estado de negação à realidade que nos esmaga!

Não é de agora…, somos um pouco assim, temos dificuldade em enfrentar a realidade: mais facilmente pensamos em impor-lhe as nossas pretensões e deslumbramentos do que aceitamos seguir realisticamente as possibilidades que ela nos oferece.

Mas a produção de uma realidade alternativa tem limites e quando eles são desconsiderados e negados, pagamos todos e pagamos caro, a começar pelos mais frágeis! Nestes dias, diariamente, as vítimas são às centenas…

E valem pouco ou nada as palavras que ouvimos, sobretudo de quem tem/precisa de falar, apresentando argumentos para justificar o que fizemos/não fizemos, porque a realidade fala por si…

Mas não é só, num cinismo e indiferença atrozes de quem parece habitar noutra realidade, discute-se a morte assistida no Parlamento quando ela entra, sem ser “a pedido”, nos hospitais, lares, casas particulares…, dizimando vidas e trazendo sofrimento indizível às famílias!

Quando faltam profissionais de saúde e aos que temos faltam meios para assistir à vida dos doentes, o Parlamento discute colocar profissionais de saúde a assistir à morte – “a matar a pedido”…, eles que existem para cuidar da vida!

Em vez da morte, não era melhor ver o nosso Parlamento a cuidar da vida de todos os doentes, proporcionando aos que estão nos derradeiros momentos da sua vida o suporte humano e técnico adequados?

Em vez da morte, não era melhor ver o nosso Parlamento a preocupar-se com os meios humanos e materiais necessários à vida de todos os doentes, com ou sem covid?

Em vez da morte, não era melhor o nosso Parlamento acompanhar a organização dos meios disponíveis do país no combate à pandemia, superando querelas porque quem perde são os portugueses?

Um pouco de mais humildade e organização, um pouco menos de ideologia e insensibilidade, para salvar o maior bem da Comunidade: a vida de todos nós!

P. Armindo Janeiro, Presidente da Direcção da UASP

3 thoughts on “Do estado de negação à realidade que nos esmaga!

  1. Parece-me não haver palavras para enfrentar este atentado.
    Somos vítimas, mas também cúmplices silenciosos de mais um atentado á vida

  2. Os paradoxos de uma sociedade à procura de rumo que condena o que defende. Portugal o primeiro a abolir a pena de morte e é o quarto a deixar matar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *