POR MARES DANTES NAVEGADOS…. Guiné!

DSC08388 (640x480)Éramos 19. “Por mares dantes navegados” – sigla a denunciar intenções de evangelização e bem fazer,  iniciativa da UASP (União das Associações dos Alunos dos Seminários Portugueses), iniciativa nascida no Ano da Fé, promulgado por Bento XVI. Tem por dinamizador principal o incansável P. Manuel Armindo e por agente de programação a Isabel Oliveira, incansável por igual e grande entusiasta da ideia. Cabo Verde foi o clic inicial. Dois anos volvidos, muita avaliação, muita programação, muito sonho… seguiu-se a Guiné. Claro, iniciativa do género vinha maculada com o condão de atiçar recordações de quem um dia teve a dita (infelicidade, talvez) de ter sido mobilizado para a Guiné, na guerra colonial.

Passado ao esquecimento o “levantamento das Caldas” (16 de Março), cada um dos capelães rumou à “sua guerra”. (Rendição individual): O Cruz para o Hospital Militar, o Rui para Tite, o David para Catió, o Fagundes para Pirada e o Artur para Bafatá para secundar o Luciano e lhe suceder nos Batalhões de Bafatá, Galomaro e Bambadinca. Andava um pouco” apanhado do clima”… tinha vindo de Gadamael Porto (um buracão) e precisava de alguém a ajudá-lo na “psico”, bastante alterada, e a criar problemas com as chefias… O Nord Atlas subiu de Bissalanca a Bafatá (era a única via de transporte para o Leste a via aérea…). Ambiente de guerra por todo o lado: fardas, mais fardas, camuflados, divisas, galões, bonés de várias cores, Artilharia leve e pesada, Cavalaria, (sem cavalos mas com chaimites…), Infantaria muita (tropa macaca lhe chamavam), Batalhões, CCS, Companhia 1, 2 e 3, pelotões e secções em “buracos” temíveis (Mato Cão, Dlombi, Cambadju, Chamarra), COP’s, CAOP’s, pistas, heliportos, helicanhões, LDG’s, LDM’s, fuzas, paraquedistas, bombardeiros, Fiats, (já não voavam depois do abate de dois – Ten. Coronel Brito), bombas no QG, no Café Ronda, mísseis terra-ar, canhões sem recuo, agákapa, além da “querida” G3, granadas, munições, RPG e que mais?… Berliet’s, Unimogs, o “burrito”, chaimites, waites, jeeps… ei! tanto ferro que ficou naquela pista de Bafatá! Santo Deus!

BAFATÁ

Saímos a porta da Cúria, olhos bem abertos para reconhecer terrenos pisados há 40 anos! Foram apenas 6 meses, mas deu para lembrar de memória tudo o que de bom e de menos bom por aqui se passou. Fomos celebrar à Catedral com o Bispo. Airosa, engalanada de motivos de festa, bem cheirosa, bem preparada, jovial. Há ali mão de missionário, de evangelizador e de comunidade viva e consciente no meio duma “muçulmanização” que atinge os 36%.

Outrora, mal cheirosa, dos milhares de morcegos que infestavam os telhados, despida, lúgubre, votada apenas a umas celebrações fúnebres ou de despedida de companhias, onde acorriam alguns militares e alguns autóctones, dois padres idosos (do PIME) e o irmão Luís… sempre agastado, à italiana…

Ali fui chamado pelo capitão da Cavalaria, pouco depois de assentar arraiais no teatro de guerra: “Ó capelão, temos aí um trabalhinho para amanhã”. Foi o meu “baptismo de fogo”: missa para 4 urnas, mais uma que ficou de fora por causa do mau cheiro… Tinham sido emboscados na estrada (asfaltada) Bafatá-Gabú, minada, e atacados com rochets de cima das árvores. Um deles caiu mesmo na escotilha da Chaimite, aberta por causa do calor e de muita negligência…

Foi uma celebração vivida sem dúvida, mais do que aquela, claro, que cheirava a morte, a ódio, a medo… (com escolta militar e bandeira nacional). Esta exalava clareza, devoção, amor, ornada de flores, exultativa, a significar ressurreição e vida nova. É a esperança duma cristandade, minoritária, é certo, mas viva, consciente, alegre, ousada, jovem, mexida, com cantos, palmas, ritmo e vida!  Encheu um coração que naquele mesmo altar um dia ali se contraiu e se constrangeu com tanta formalidade oficial… memória de morte.

Saímos. Olha o posto da Sacor! Está ali a guarita, um poste meio derrubado, as duas bombas (gasóleo e gasolina), esmorecidas por falta de trabalho, ainda a mostrarem envergonhadamente os números na ranhura da contagem.

Olha a subida para a Missão e para as irmãs Franciscanas (lembra-se, irmã Alzira? – tão jovem!). Está na mesma porque nunca deixou de ser um trilho na rocha vulcânica, ferrosa e rugosa! Olha! A estrada por onde da CCS e da messe de oficiais se subia para a tabanca, para a pista e para a Cavalaria! Que movimento de carros e pessoas! O alcatrão derreteu, a chuva esburacou, há verdadeiros precipícios, o lixo acumulou. Cuidado, onde pões os pés! Olha o entorse! Não caias no buraco!

Visita à Casa das Mães

Ali perto, mesmo no alto, nas cercanias da Cúria,  há um espaço que serve de Centro de Saúde, onde pacientes, calmos e pachorrentos, aguardam. Mesmo ao lado, duas ambulâncias num pátio. Por aí se entra para a “Casa das Mães”. Interessante! Apoio às grávidas que nas Tabancas não têm hipótese de assistência digna e salubre. São acolhidas pela instituição, magnificamente orientada por profissionais e voluntários, de base religiosa. Têm possibilidade de observações clínicas na gestação, assistência no parto e condições de aprendizagem de cuidados alimentares para os primeiros tempos dos bebés. Vão-se ocupando em trabalhos simples, em tarefas secundárias como a descasca do amendoim, trabalhos de costura ou tecelagem e outras…

Vê-se progresso em instituições organizadas e suportadas por algumas ofertas que vêm de fora, sempre com base sobretudo em instituições religiosas.

AO – (Alferes capelão)

DSC08366 (640x480)DSC08368 (640x480) DSC08372 (640x480) DSC08371 (640x480) DSC08391 (480x640) DSC08393 (640x480) DSC08394 (640x480) DSC08396 (640x480) DSC08399 (640x480) DSC08408 (640x480) DSC08564 (640x480) DSC08568 (640x480) DSC08574 (640x480) DSC08575 (640x480) DSC08578 (640x480) DSC08579 (640x480) DSC08580 (640x480)

2 thoughts on “POR MARES DANTES NAVEGADOS…. Guiné!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *